24 de abril de 2015

Santo Amaro e Candeias esperam R$ 210 milhões



O prefeito de Candeias, Francisco Conceição (PSD), aguarda  do Ministério da Integração Nacional a avaliação do pedido de recursos federais para sanar os prejuízos provocados pelas chuvas neste município da Grande Salvador. No total, foram solicitados R$ 150 milhões.

"Já apresentamos o plano de trabalho. A expectativa é que o Ministério da Integração se posicione e libere alguma verba para a recuperação", acrescentou o prefeito. O órgão federal foi procurado pela equipe de reportagem, mas  até o fechamento desta edição não havia respondido à solicitação de informações.

Enquanto não há resultado para o pedido feito, a prefeitura municipal aprovou  na última sexta-feira um auxílio emergencial de R$ 250 mensais para as 900 famílias que tiveram prejuízos com as chuvas. O benefício será concedido durante três meses.

"Na próxima semana,  devo ir a Brasília tentar pedir aceleração na liberação desse recurso", disse Francisco Conceição. Segundo ele, o montante será investido na contenção de 16 encostas (R$ 74 milhões), aquisição de máquinas e equipamentos e repavimentação de 76 ruas. E também na construção de 300 unidades habitacionais, por meio do programa federal Minha Casa, Minha Vida, e recuperação de alguns dos imóveis avariados.

"O problema maior hoje não é só recuperar as casas. É fazer o serviço de recuperação das encostas para que todo ano não se repita essa ocorrência. É um problema que temos há mais de 20 anos", afirmou o prefeito de Candeias.

Santo Amaro

Em Santo Amaro da Purificação, no Recôncavo baiano, a situação é semelhante. Segundo o prefeito Ricardo Machado (PT), foram pedidos R$ 60 milhões ao ministério. "A prefeitura está aguardando a definição do Ministério da Integração e da Defesa Civil sobre os recursos solicitados", disse.

Machado afirmou que o montante, se for liberado, será investido na recuperação de cerca de 200 casas atingidas pela enchente do rio Subaé. "Uma parte será para reforma de casas. Outra, para recuperar danos causados ao patrimônio público, como calçamento, quatro escolas e dois postos de saúde".

Um dos problemas mais graves, segundo o prefeito de Santo Amaro, é a situação das estradas que ligam a zona rural à sede do município. Os três distritos mais prejudicados são Pedra, Oliveira dos Campinhos e Acupe. "No distrito de Pedra, a população está quase que ilhada. Para chegar à sede, eles têm que rodear 26 km. Antes, percorriam apenas seis", acrescentou.

Machado disse ainda  não haver um plano B,  caso  a verba federal seja negada. "A gente não está pensando em plano B porque não existe. Tem que ter um socorro. O município não tem condições de, com recursos próprios, recuperar a cidade".

Tanto em Santo Amaro como em Candeias estão sendo feitos trabalhos de limpeza das casas atingidas, para que as famílias desalojadas possam retornar. No entanto, em Candeias alguns imóveis não apresentam  condições seguras para o retorno das famílias. Parte delas está em casas de parentes e amigos enquanto a situação não é solucionada.

No dia 15 passado, os prefeitos dos dois municípios  foram a Brasília, sendo recebidos pelo ministro da Integração Nacional, Gilberto Occhi. Na ocasião, eles apresentaram ao gestor federal o relatório de estragos causados pela intensa chuva que castigou suas respectivas regiões. ( A tarde)

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Os comentários postados pelos leitores são de responsabilidade dos respectivos comentaristas e não correspondem, à opinião dos autores do Santo Amaro Notícias.

Todos os comentários são moderados e nos reservamos o direito de excluir mensagens consideradas inadequadas ou que possuam conteúdo ofensivo.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...